TEMA DE REDAÇÃO | Violência doméstica e masculinidade

Que os índices de violência doméstica são bastantes altos não é novidade. O que vem ganhando atenção é o que gera homens tão violentos. Estudos mostram que a cultural noção de masculinidade têm formado muitos homens com baixíssima maturidade emocional. E isso gera violência.

Leia atentamente os textos de apoio abaixo. Em seguida, produza um texto dissertativo-argumentativo no qual você defenda seu ponto de vista com clareza, objetividade e precisão a respeito do seguinte tema: A relação entre violência doméstica e masculinidade.

Não deixe de fazer o seu brainstorm -> esqueleto -> rascunho.

***

Se você está preparando para o ENEM, o ideal é que escreva a sua redação com base nas instruções abaixo, extraídas da prova de 2017:

  • A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.
  • o seu texto deve ter entre 7 e 30 linhas. Menos que 7 torna o texto “insuficiente”.
  • cuidado para não fugir ao tema e não deixe de atender ao tipo dissertativo-argumentativo.
  • apresente proposta de intervenção que respeite os direitos humanos
  • cuidado para não apresentar parte do texto deliberadamente desconectada do tema proposto.

 

TEXTOS DE APOIO

Texto 1

Os relatos desses entrevistados* indicam que homens com trajetórias violentas as construíram ainda na infância, sobre normas de gênero que determinavam símbolos violentos, como armas e carros, como parte integrante do “ser homem”.

Estudos prévios sobre exposição à violência durante a infância indicam que, na vida adulta, as vítimas dessa exposição enxergam a violência como um meio possível para resolução de problemas.

No Brasil, homens são os principais autores de violência física em espaços públicos e têm dez vezes mais probabilidade que as mulheres de serem vítimas de violência urbana. [Leia o texto completo]

* Pesquisa realizada pelo Instituto Promundo com 572 homens e 579 mulheres no Rio de Janeiro, entre 18 e 59 anos, em áreas com taxas altas e baixas de homicídios.

Fonte: Como a sociabilização violenta de meninos leva a índices mais altos de violência doméstica no futuro | Nexo Jornal

Texto 2

A máxima de que “homem não chora”, ou o estímulo para que meninos resolvam conflitos, desde cedo, fazendo uso da força e da agressividade, a crença de que um homem não deve demonstrar medo ou fragilidade, de que ele deve ter sempre a última palavra e não aceitar o questionamento de sua autoridade na família são comportamentos que (…) não têm nada de natural. São ensinados aos meninos, seja por meio de falas ou de ações que são reproduzidas.

Também se ensina que essa masculinidade é o outro lado da moeda de uma feminilidade dócil, passiva e, segundo o material, tida como inferior — daí “mulherzinha” ter conotação de xingamento. Por fim, masculinidades diferentes desse padrão são coibidas. [Leia o texto completo]

Fonte: Como combater a violência doméstica discutindo masculinidade / Nexo Jornal

Texto 3

A imposta necessidade dos homens sempre se colocarem como “machos” e não poderem reconhecer as suas fraquezas limita os próprios homens. Nesse sentido, muitas vezes, os homens se sentem “menos homens”, não podendo admitir os seus erros e limitações, desde situações mais simples, como não saber trocar um pneu, até situações mais
complexas, como o desemprego ou o trato com a família.
Essas regras do que é “ser homem” trazem graves consequências nas relações com outros homens e com mulheres.
Enquanto ensinamos aos nossos meninos e damos o exemplo da dureza, da indiferença e da falta de emoção, somos
e continuaremos a ser menos verdadeiros conosco mesmos e, enquanto seres humanos, menos completos. [Baixar/Abrir a cartilha]

Fonte: Cartilha “Vamos falar sobre masculinidade?” / Defensoria Pública do Estado de São Paulo

Texto 4

“É muito comum o uso de termos como genes, hormônios ou hereditariedade para explicar ou desculpar o comportamento humano. Enquanto pensarmos que comportamentos masculinos como agressividade ou apetite sexual são biológicos, perderemos o foco das questões sociais e culturais, que são as que precisam ser resolvidas. Não podemos aceitar o mau comportamento masculino.”
Matthew Gutmann, antropólogo especialista em masculinidade da Universidade Brown (EUA)

“É preciso criar uma forma para que esses homens possam se responsabilizar, entendendo que a violência não é fruto do uso de álcool ou de drogas, mas que é a própria construção da masculinidade que, de certa forma, desencadeia esse exercício da violência sobre as mulheres.”
Sergio Barbosa, filósofo coordenador do trabalho realizado com homens autores de agressão na cidade de São Paulo pela ONG Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde.

[Leia o texto completo]

Fonte: Dossiê Violência contra as Mulheres / Violência Doméstica e Familiar / Agência Patrícia Galvão

 

Boa produção!

Um abraço,
Equipe Redação Nota Dez

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *